Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
Editorial

O ‘estado vermelho’ da pandemia de Covid-19


image_processing20200529-17512-1unhs1t_FD6D3909-4A7B-4D5C-B482-ABB8F6DB7C67.jpeg
30/11/2021 às 08:00

O agravamento da pandemia da Covid-19 na Europa e o aparecimento de uma nova cepa, ômicron, pedem responsabilidade, firmeza e compreensão sobre o que está posto no mundo, atualmente, por meio do novo coronavirus. A medida que a pandemia avança numa quarta onde em vários países onde a vacinação tem baixa cobertura vacinal e outras variantes são descobertas, são necessárias ações efetivas de prevenção.

É fato que o mundo não para, mesmo em meio a pandemia e que, por impulsão da política econômica global, a abertura ampliada das atividades vem ocorrendo e se sobrepondo sobre todas as demais atividades e situações. Os negócios do capital fazem a passagem. Em semelhante ritmo, o trânsito de pessoas, e de cargas, entre países por avião, trem, metrô, navios, barcas continua ocorrendo e nele são transportadas muitas outras coisas, entre quais, vírus, bactérias.

Ao mesmo tempo, quando se faz um recorte para o Brasil, o que se constata na maioria dos Estados é a flexibilização ampla do uso dos espaços públicos e privados e, com ela, em muitas cidades, o fim da obrigatoriedade do uso de máscara. O País tem, hoje, mais de 60% da população vacinada, o que em tese sustenta os argumentos pró-flexibilização praticamente generalizada. Ao mesmo tempo, quando se pensa que aproximadamente 40% dessa mesma população não completou as etapas vacinais, as ameaças de adoecimento e até de morte permanecem reais e muito próximas de todos.

O Amazonas há mais de duas semanas integra a lista dos Estados na cor vermelha, traduzida pela indicação de que os casos de Covid-19 estão em alta. Como o número de mortes não aumentou ao ponto de exigir respostas, a condição do Amazonas não vem sendo questionada, explicada. Ao contrário, a cada dia, as aglomerações aumentam e o relaxamento das medidas preventivas também. Tecnicamente, não foi explicado até agora porque o Estado aparece e permanece na paleta vermelha, de onde vem os casos e quais municípios estão contribuindo para manter essa situação.

Se a estratégia é ignorar os casos para que a ação econômica se realize mais livremente e, assim, aliviar pressões dos setores empresariais e da sociedade diante das dificuldades econômico-financeiras, os governos estadual e municipal erram.  O resultado da impulsão frenética pelo consumo e pela liberação de medidas preventivas podem, juntos, gerar novo quadro crítico em Manaus em outros municípios amazonenses.

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.