Sábado, 23 de Janeiro de 2021
Editorial

Que as necessidades de Manaus sejam respeitadas


show_show__DSC0616__2__F9FFCD4A-1C3A-4321-856F-5AD6C832E181.jpg
30/11/2020 às 06:30

Está encerrado um ciclo importante no cotidiano da cidade, o da votação, onde foi necessário o segundo turno, como ocorreu em Manaus. Imediatamente um outro se inicia a fim de que a representação e a participação estejam presentes de fato. Prefeitos e vereadores eleitos ou reeleitos têm a partir de janeiro responsabilidades fundamentais para desempenharem e estão, na condição de servidores públicos, vinculados a dispositivos constitucionais que necessitam ser observados por eles, pela sociedade e por aqueles que são, dentro das instituições, fiscais dos atos públicos.


A cidade de Manaus chegará a 2021 em condições precárias nas várias áreas que representam as de maior demanda social. Pactos por baixo que estão diretamente relacionados a grupos restritos e interesses muito particulares. São acordos dessa natureza que empurram a cidade para baixo e atrasam o desenvolvimento socioambiental e econômico dos municípios. Loteadas entre poucos, essas unidades têm seus espaços destinados a empreendimentos que, em geral, ignoram as demandas humanas para a construção de cidades mais acolhedoras, mais receptivas e com disposição crescente na busca de soluções justas a velhos e graves problemas.


Em Manaus não há escassez de recursos financeiros e o padrão de vida da maioria dos aproximadamente 3 milhões de habitantes poderia ser bem melhor. As seguidas alianças entre estritos grupos interferiram e interferem na disposição de tornar a cidade mais coletiva, de fazer valores necessários para se pensar e ser parte da cidade. Na maioria dos registros, o que se verifica nos investimentos de grupos com atuação na cidade é o desrespeito às regras estabelecidas pela Lei Orgânica dos Municípios, acessar lucro financeiro de qualquer maneira e usurpar direitos dos moradores. No legislativo, verifica-se um grave encolhimento da função e vereadores mais dispostos a atender as demandas privadas do que aquelas apresentadas pela sociedade.


As eleições são instrumentos legais de avaliação dos representantes nos espaços de poder do executivo e do legislativo. O voto os mantém, no caso parlamentar, e renova mandatos, dentro do limite da reeleição, no executivo ou decide que outros mandatos sejam inaugurados. Ao final, o que a maioria dos eleitores deseja, ao cumprir com esse dever, é acertar nos nomes escolhidos, o que significa vê-los atuando para superar os problemas da cidade e fazer essa cidade avançar socialmente. Que esse desejo e necessidade carregados pelo voto se realizem a partir de janeiro de 2021.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.