Terça-feira, 14 de Julho de 2020
lockdown

Juiz indefere pedido do MP-AM sobre bloqueio total em Manaus

Em sua decisão, o juiz Ronnie Frank Torres Stone destaca que, até o presente momento, não existem elementos mínimos que justifiquem a medida



centro_5F68B066-6182-478F-876E-B9D9753D5936.JPG Foto: Euzivaldo Queiroz
06/05/2020 às 18:23

O juiz Ronnie Frank Torres Stone, da 1ª Vara da Fazenda, indeferiu nesta quinta-feira (6) o pedido do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM). Com a medida, o Governo do Amazonas e a Prefeitura de Manaus não são obrigados a realizarem o bloqueio total - lockdown, em inglês - pelo prazo de 10 dias. Leia decisão. 

O órgão pedia a aplicação de restrições mais severas, de modo que a circulação de pessoas fosse reduzida a 70% na capital, com a finalidade conter a propagação do novo coronavírus (Covid-19). De acordo com o magistrado, nos autos da ação, até o presente momento, não existem elementos mínimos que justifiquem a medida judicial requerida pelo MP-AM, motivo pelo qual determinou o indeferimento da tutela.



O magistrado destacou ainda que a base documental apresentada pelo MP-AM não concede sustentação ao que foi requerido. Conforme o juiz, quase todas as menções na peça dizem respeito a matérias jornalísticas, especialmente do site UOL.

A falta de dados oficiais fez com o que o juiz solicitasse, informalmente, acesso aos dados do município de Manaus que foram encaminhados, por e-mail, pelo titular da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp), pasta responsável pelos sepultamentos que ocorrem diariamente na capital.

"Esses dados, ao contrário do que sugere o autor [MP-AM], demonstram que as medidas adotadas, ainda que não tão rigorosas como as desejadas na peça inicial, estão a indicar que o surto já se encontra, no mínimo, estabilizado, com tendência de redução na capital", destacou Frank.

Ele sustenta ainda que mesmo que não dispusesse dos dados a tutela requerida não mereceria ser acolhida. "Isto porque não se nega, na peça inicial, que o Estado do Amazonas tenha adotado medidas para restringir a circulação de pessoas, seja na capital, seja entre os municípios do Estado e, inclusive, a nível interestadual", disse o juiz Frank, que destacou que o requerimento, a rigor, pretende transferir para o Poder Judiciário a responsabilidade pela execução das medidas previstas nos decretos do governador, "o que é inaceitável por conta da distribuição de atribuições dos poderes constituídos, dentro do sistema constitucional vigente".

Em suas últimas considerações, o juiz destaca em sua decisão que não cabe ao Poder Judiciário minorar ou agravar medidas de circulação de pessoas para a contenção de epidemias. "A leitura dessas políticas deve ser feita por equipes técnicas que, diante de dados concretos, possam municiar as decisões a serem tomadas pelo chefe do Executivo. Difíceis decisões, por sinal, pois, de regra, não é possível se antever quais serão as suas consequências", disse o juiz Frank, complementando que ao Poder Judiciário cabe examinar se as medidas adotadas contenham excessos que mereçam ajustes ou até supressão.

News rafael seixas f19bfc74 2a6d 4824 91e0 ea63ab017774
Editor do Portal A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.