Terça-feira, 14 de Julho de 2020
PROTEÇÃO

Indústrias no Amazonas distribuem álcool em gel e máscaras para funcionários

Nas portas das fábricas do PIM, visitadas pela reportagem, funcionários tinham acesso a álcool para higienização e máscaras



F_BRICA_8F8E63DE-6622-4FB0-9E6A-A83A0E53E7DD.JPG Em frente à fábrica da LG, funcionários que chegavam para o primeiro turno de trabalho e na entrada tinham acesso a álcool para higienização das mãos e máscaras para proteção de boca e nariz. Foto: Winnetou Almeida
01/05/2020 às 23:50

Mesmo não se enquadrando na lista de serviços essenciais estabelecidos pelo governo federal, algumas fábricas do Distrito Industrial de Manaus permanecem de portas abertas e operando. Em meio à uma crise global, causado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), as companhias adotaram uma série de medidas para assegurar a não propagação do vírus no ambiente fabril.

Em frente à fábrica da LG, nossa equipe conversou, na manhã de quinta, com alguns funcionários que chegavam para o primeiro turno de trabalho. Logo na entrada, os colaboradores tinham acesso a álcool para higienização das mãos e máscaras para proteção de boca e nariz. Nenhum dos funcionários demonstrou insatisfação com os sistemas de segurança adotados pela empresa.



Bem próximo dali, na Pam Plásticos, funcionários também se preparavam para mais um dia de trabalho. Estes também informaram que apesar de precisarem trabalhar em meio à pandemia, têm tido sua segurança resguardada pela empresa.

“Temos nossos EPIs garantidos, não tem faltado nada. O sistema de segurança é bem rígido”, garantiu um funcionário da Atem, distribuidora de combustíveis.

Um funcionário da Panasonic disse em off à reportagem que mesmo que os trabalhadores estejam insatisfeitos, seria difícil encontrar um depoimento negativo. “É uma questão de segurança da informação e medo mesmo. As pessoas estão muito amedrontadas a respeito dos empregos. Eu também estou muito, não vou mentir”.

Por meio de nota, a LG Electronics do Brasil informou que está monitorando de perto a situação de pandemia do Covid-19 (Coronavírus) e vem tomando medidas para manter a segurança dos funcionários, familiares, clientes e da comunidade onde está inserida.

Medidas

Disse que desde o início deste cenário, a unidade determinou o cancelamento de viagens internacionais, quarentena para  os funcionários que retornaram de outros países, e outras medidas adicionais no dia a dia da operação com o intuito de inibir a proliferação do vírus, como protocolos de atendimento médico, instalação de câmeras termográficas nas portarias para aferir a temperatura dos colaboradores, esterilização dos ônibus fretados antes e depois dos trajetos, além de máscaras e pontos de álcool em gel em locais estratégicos para higienização constante.

A LG disse que incluiu um consultório na portaria da fábrica com médicos para atendimento e acompanhamento de casos suspeitos. Afirmou que desde 21 de abril, os funcionários, com exceção dos que integram os grupos de riscos ou que apresentam dos sintomas do coronavírus, retornaram às suas atividades após período de recesso, seguindo todos os protocolos e recomendações da OMS.

Blog: Carolina Cândido Neves Engenheira de Segurança do Trabalho

“Em meio à essa pandemia temos  que redobrar as medidas de saúde e segurança nos ambientes de trabalho. Nas indústrias, as medidas de prevenção devem ser realizadas de forma planejada e sistemática. Cada empresa, por meio de seus profissionais da área de saúde e segurança, devem elaborar um plano de ação adequado à realidade da empresa, visando reduzir e/ou eliminar o risco de transmissão do vírus entre os colaboradores, visitantes e fornecedores. Cada empresa, seja indústria, comércio ou serviço, deve estudar seu processo, mapear os riscos e dispor de recursos humanos, técnicos e materiais para garantir condições mínimas de segurança”.

Metade está em casa

A Multilaser Industrial S.A informou que está com operação reduzida com férias coletivas para 50% dos colaboradores desde a primeira quinzena de março. Houve redução de turno e implementação de medidas que visam garantir a segurança dos funcionários em todas as unidades fabris.

O retorno desse cenário se dará conforme a recuperação do mercado, ainda sem previsão e sendo acompanhado. “Não somos contra as medidas nos grandes centros urbanos de fazer a quarentena. É muito importante pensar em formas de fazer economia continuar. Empregos são renda e renda é comida na mesa. Não podemos deixar acontecer uma calamidade econômica que vai matar muito mais gente. Temos que cuidar da epidemia e cuidar da economia”, disse o CEO, Alexandre Ostrowiecki.

Revezamento de equipes

Por meio de nota, a Samsung no Brasil informou que, desde o dia 13 de abril, as operações das fábricas foram retomadas em esquema de revezamento de equipes.

Seguindo as orientações e especificações das autoridades da área da saúde, uma série de medidas preventivas para evitar aglomerações e proteger colaboradores foram implementadas, como a medição de temperatura e o cumprimento da distância mínima recomendada entre os funcionários durante todo o período de trabalho em todas as áreas da empresa.

“A Samsung permanece monitorando continuamente a situação da COVID-19 e continua comprometida com o bem-estar de todos”, diz um trecho da nota.

Moto Honda adia retorno; Yamaha reforça segurança

A Moto Honda da Amazônia anunciou nesta semana a extensão da suspensão das atividades  produtivas de sua unidade fabril em Manaus. A retomada da produção, anteriormente prevista para 4 de maio, foi prorrogada para 18 do mesmo mês. A operação será reiniciada gradualmente com a adoção de protocolos adicionais de segurança e visa a conciliar o cuidado com a saúde e a necessidade de atendimento à demanda atual do mercado de motocicletas. 

Em acordo coletivo, firmado com o Sindicato dos Metalúrgicos de Manaus, com base na Medida Provisória 936/2020, foi estabelecido que a maior parte dos colaboradores da Honda terão o contrato de trabalho temporariamente suspenso por período máximo de 60 dias.

Na quinta-feira,  a Yamaha Motor da Amazônia retomou suas atividades, adotando medidas para preservação da saúde de seus colaboradores. Em nota à imprensa, o diretor de relações institucionais da Yamaha no Brasil, Hilário Kobayashi afirmou que a empresa está garantindo máscaras higienizadas e medição de temperatura para 100% dos funcionários, terceiros e visitantes.

A indústria disse que aumentou o número de rotas limitando em 50% a sua ocupação; reduziu em 50% do número de pessoas no restaurante; duplicou a higienização das rotas, restaurantes, ambientes de trabalho; ampliou a distribuição de álcool em gel; aumentou a mão de obra da equipe de saúde e de limpeza. E mantém em home office com quem não atua na produção.

Repórter

Tudo sobre o Coronavírus



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.