Domingo, 27 de Setembro de 2020
Preservação

Governo do AM e empresários debatem ações sustentáveis pós-pandemia

Ambev, Bayer, BRF, Grupo Boticário, Ipiranga, Michelin, Natura e Osklen reforçaram medidas em uma carta pública



FOTO-Diego-Peres-Secom-31-500x333_E1223908-B263-4017-97EC-69E5E5A8C5B6.jpg Foto: Diego Peres
12/08/2020 às 15:44

O governador Wilson Lima participou, nesta quarta-feira (12/08), de reunião virtual do Consórcio da Amazônia Legal com líderes de algumas das maiores empresas brasileiras para discutir a pauta ambiental. Na ocasião, foi apresentado o “Comunicado do Setor Empresarial Brasileiro”, que defende a adoção de políticas públicas para retomada econômica, após a crise desencadeada pela pandemia da Covid-19, que priorize iniciativas da chamada economia circular e de baixo carbono, em especial na Amazônia.

O documento é uma iniciativa do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que reúne instituições e empresas dispostas a contribuir com soluções para um país ambientalmente correto. Entre os pontos defendidos estão o combate inflexível e abrangente ao desmatamento, a inclusão social e econômica de comunidades locais e a adoção de mecanismos de negociação de créditos de carbono.



“O Governo do Estado já vem dando respostas a essas demandas. Estamos regulamentando nossa lei de serviços ambientais agora neste mês, o que vai permitir ao Amazonas entrar nesse mercado do carbono. Também estamos com R$ 30 milhões do Fundo Amazônia para investir em regularização ambiental e Cadastro Ambiental Rural. A articulação regional, inclusive com a participação do setor privado, é fundamental para avançarmos rumo ao desenvolvimento sustentável do país”, afirmou o governador Wilson Lima.

Compromisso – Algumas das empresas signatárias do “Comunicado do Setor Empresarial Brasileiro” já desenvolvem soluções de negócios que partem da bioeconomia, com valor agregado e rastreabilidade dos produtos, inclusive na Amazônia.

No documento, os líderes também defendem que pacotes de incentivos para a recuperação econômica dos efeitos da pandemia estejam condicionados a uma economia circular e de baixo carbono.

“Temos a oportunidade única, os recursos e o conhecimento para dar escala às boas práticas e, mais do que isso, planejar estrategicamente o futuro sustentável do Brasil. Precisamos fazer as escolhas certas agora e começar a redirecionar os investimentos para enfrentamento e recuperação da economia brasileira em um modelo de economia circular, de baixo carbono, e inclusiva, em que não há controvérsias entre produzir e preservar”, diz um trecho.

Entre as empresas que assinam a carta estão: Ambev, Bayer, BRF, Grupo Boticário, Ipiranga, Michelin, Natura e Osklen. Entre os conceitos de economia circular está a de aproveitamento de produtos e recursos em múltiplos ciclos (reuso, reciclagem etc.).

*Com informações da assessoria

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.