Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020
SAÚDE

Estado e Prefeitura se comprometem a afastar profissionais no grupo de risco

Medida acontece após acordo com a Defensoria Pública e tem validade enquanto durar a pandemia



WhatsApp_Image_2020-06-24_at_17.49.09_E25318E5-65D4-428B-9365-85A6A2992237.jpeg Foto: Mário Oliveira/Semcom
24/06/2020 às 18:30

Após pedido da Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), o Governo do Amazonas e a Prefeitura de Manaus se comprometeram a remanejar ou afastar profissionais que fazem parte do grupo de risco para a Covid-19 e estão na linha de frente de assistência a pacientes com a doença. A medida foi celebrada em acordo homologado pela Justiça Estadual em audiência de conciliação nesta quarta-feira (23).

Conforme o acordo, enquanto durar a situação de calamidade pública em razão da pandemia de Covid-19, o profissional da saúde que está no grupo de risco da doença poderá requerer o afastamento ou remanejamento. O servidor afastado deve prestar, sempre que possível e viável, atividades por meio de teletrabalho. Fazem parte do grupo de risco da Covid-19: pessoas acima de 60 anos, gestantes, lactantes, além de portadores de doenças crônicas.



O defensor público Arlindo Gonçalves, titular da Defensoria Especializada na Promoção e Defesa dos Direitos Relacionados à Saúde, explica que o acordo foi homologado nos autos de um processo iniciado pelo órgão.

Na ação, além do afastamento dos profissionais, a Defensoria pedia a observância de uma nota técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que dispõe sobre medidas de prevenção e controle que devem ser adotadas durante a assistência aos casos suspeitos ou confirmados de infecção pelo coronavírus.

Para Arlindo, o acordo com a possibilidade de afastamento é importante porque, anteriormente, Estado e Município haviam permitido a suspensão de atividades para servidores públicos, com exceção dos profissionais de saúde e segurança.

“O pedido foi feito visando resguardar a segurança desses profissionais de saúde, uma vez que os grupos de risco teriam maior probabilidade de desenvolver a Covid-19 e de, naquele estágio mais grave, ter possibilidades maiores até de óbito. Agora aqueles que querem se afastar, que sentem que correm o risco, podem fazer o requerimento porque Estado e Município acordaram essa possibilidade”, destaca o defensor público.

Pelo acordo, Governo do Estado e Prefeitura também se comprometeram a apresentar protocolos de controle e avaliação da utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) aos profissionais, além de treinar equipes sobre a forma correta de colocação e retirada dos itens de segurança, em cada estabelecimento de saúde.

“Se não houver um treinamento adequado, essa forma de se despir dos EPIs termina sendo motivo de muita infecção. Então, não basta fornecer. É preciso oferecer esse treinamento”, explica Arlindo. 

Enquanto durarem as medidas de controle à pandemia, Estado e Município também precisam informar, nos autos do processo, registros de distribuição de EPIs às unidades de saúde. O informe deve ocorrer quinzenalmente ou em menor período, podendo também ser atualizado em relatórios em sites de transparência disponíveis à população. 

Ainda como parte do acordo, os estabelecimentos que prestam atendimento a pacientes com Covid-19 devem apresentar informação de constituição e identificação de todas as equipes multidisciplinares de Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH).

*Com informações da Assessoria de Imprensa

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.