Domingo, 27 de Setembro de 2020
PEDIDO DA AJUDA

Em carta aberta, Greta Thunberg pede ajuda para combate à Covid-19 no AM

Além de Greta, o texto foi assinado por mais 12 ativistas, brasileiros e de outros lugares do mundo, como Portugal e Nova Zelândia, que fazem parte do movimento Fridays for Future



14/05/2020 às 20:23

A ativista ambiental sueca Greta Thunberg divulgou nesta quinta-feira (14) uma carta aberta pedindo apoio global para ajudar o Amazonas no combate à Covid-19. Além de Greta, o texto foi assinado por mais 12 ativistas, brasileiros e de outros lugares do mundo, como Portugal e Nova Zelândia, que fazem parte do movimento Fridays for Future.

Na carta, os ativistas chamam Manaus de “o coração da maior floresta tropical do mundo” e ressalta que o sistema de saúde colapsou e o estado sequer chegou ao pico de infecção da Covid-19.



Os ativistas reforçam que, além de atender a própria população, Manaus é referência de atendimento para as cidades vizinhas, o que acaba sobrecarregando o sistema de saúde.

O texto também traz críticas ao governo Bolsonaro, acusando-o de ignorar a crise pela qual estamos passando. Os ativistas acusam o governo federal de ser “genocida” e de colocar o lucro acima de vidas.

“Um presidente que abandona seu próprio povo não pode permanecer no cargo. Um presidente que não responde à altura das crises que enfrentamos deve ser substituído”, diz a carta.

Confira a íntegra da carta:

Ano passado, marchamos pelas ruas do mundo, alertando sobre a emergência climática. Escutamos promessas de um mundo melhor e de uma sociedade mais sustentável. Agora nós voltamos para falar. Manaus é a capital do estado brasileiro Amazonas, configura-se como Metrópole da Amazônia (junto com Belém do Pará) e é, certamente, o coração da maior floresta tropical do mundo. É uma área quase que remota, com pouca visibilidade nacional. O sistema de saúde de Manaus colapsou, e ainda sequer foi atingido o pico da curva da pandemia. A equipe da prefeitura de Manaus nos denunciou mais de 100 mortes por dia em decorrência do Covid-19, cujo resultado sequer é apurado devido às subnotificações. As autoridades públicas do coração da Amazônia emitiram um pedido de socorro ao mundo, que não pode ser ignorado: os países que já recuperaram seus sistemas de saúde nessa crise, tenham misericórdia, e evitem a morte em massa das pessoas da Amazônia. Manaus pede por respiradores, equipamentos médicos, pessoal qualificado, voluntários.

Além de ignorar a crise pela qual estamos passando, o nosso governo atual se mostrou extremamente antiambientalista. Ano passado, Bolsonaro falou que o desmatamento é “cultural” no país e que não vai acabar. Em 2019, a área total desmatada da Amazônia foi de 172 mil de campos de futebol. Nesse ritmo e com essas atitudes, a biodiversidade do Brasil e do mundo chegará a um ponto sem retorno. Isso é o perfil de um governo ecocida e genocida, que coloca o lucro acima de vidas, da natureza e do futuro da humanidade, e que foge quando suas irresponsabilidades e incapacidades são expostas.

Um presidente que abandona seu próprio povo não pode permanecer no cargo. Um presidente que não responde à altura das crises que enfrentamos deve ser.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.