Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
Caso Jerusa

Condenado a 27 anos de prisão empresário que matou esposa a facadas em Manaus

Justiça do Amazonas condenou Ivan Rodrigues Chagas, que confessou ter matado Jerusa Helena Torres Nakamine, em abril de 2018 com 18 facadas



ui_8F4A0EFA-CD92-4B38-9883-1A3C5019A32E.jpg Foto: Arquivo AC
06/12/2021 às 20:10

Depois de cinco dias de julgamento, o feminicída Ivan Rodrigues Chagas, deixa o plenário do Fórum Henoch Reis  condenado a 27 anos de prisão em regime fechado e preso pela morte da da sua mulher Jerusa Helena Torres Nakamine, em abril de 2018 com 18 facadas. 

O julgamento que começou na quinta-feira e só terminou por  volta das 20h de hoje (6) foi marcado por muitas manobras da defesa, que a toda hora ameaçava abandonar o julgamento.

Em uma das manobras a defesa informou a juíza Ana Paula Braga que o réu não responderia às perguntas do Ministério Público do Estado (MPE/AM) e nem do assistente de acusação. 

A Defesa alertou que convocaria o art. 15, da Lei de Abuso de Autoridade, caso o MPE e a assistência da Acusação insistissem em interrogar o réu, que se limitou a responder as perguntas da juíza e da Defesa.

O relato do réu iniciou a partir do dia anterior ao crime, 11 de abril de 2018. Meia hora depois, familiares da vítima começaram a deixar o plenário tomados pela emoção. Uma das primas da vítima precisou ser atendida pelo Serviço Médico do Tribunal de Justiça, com a pressão arterial alta, sendo encaminhada para o Pronto Socorro. Por volta das 10h, a juíza Ana Paula iniciou a inquirição do réu. Após ser perguntado se ainda mantém contato com uma das fillhas que não vive em Manaus, o réu caiu em prantos sem responder à juiza, que determinou um breve intervalo. 



Jerusa era empresária e foi assassinada na própria residência na rua Luanda, no conjunto Campos Eliseos, bairro Planalto. De acordo com informações do TJAM, a perícia constatou que o crime foi motivado por ciúmes e também por interesse de Ivan nos bens da vítima. 

Antes de confessar o crime, Ivan tentou forjar que Jerusa havia tirado a própria vida. Na época do fato, o delegado Jeff Mac Donald, titular da DEHS, informou que Ivan entrou com um pedido liminar para ter direito de administrar a empresa no casal, J.H. Torres Nakamine, 7 dias após cometer o crime. Já em outro processo, ele pediu o reconhecimento de união estável, que lhe daria o direito imediato a todo o patrimônio de Jerusa, mas a Justiça negou os pedidos.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.