Publicidade
Amazônia
MANEJO

FAS mostra a outros países forma sustentável de exploração do pirarucu

A experiência do Estado no tema foi objetivo de intercâmbio entre organizações do Brasil e Peru, que começou no dia 14 e encerra hoje, nas cidades de Moyobamba e Tarapoto, no Peru 19/08/2017 às 16:35 - Atualizado em 19/08/2017 às 16:37
Show 1262474
Alik Menezes

Desenvolvido na Amazônia pelas populações ribeirinhas, a pesca de pirarucu é uma atividade de geração de renda no interior do Amazonas. O manejo da espécie em Unidades de Conservação (UC’s) amazonenses têm parcela de contribuição na manutenção das populações do peixe. A experiência do Estado no tema foi objetivo de intercâmbio entre organizações do Brasil e Peru, que começou no dia 14 e encerra hoje, nas cidades de Moyobamba e Tarapoto, no Peru.

A troca de experiência foi articulada entre Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e a organização peruana Amazônicos pela Amazônia (AMPA). Uma equipe técnica do Programa Bolsa Floresta esteve no Peru compartilhando experiências em apresentações e visitas técnicas a lagos das regiões onde são realizadas atividades de piscicultura. A metodologia de manejo comunitário desenvolvida pelo Programa no Amazonas beneficia mais de 1.100 famílias das Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá, Uacari, Cujubim e Piagaçu-Purus.

Segundo o coordenador regional da FAS, Marcelo Castro, a assessoria técnica, cursos de boas práticas e apoio logístico-financeiro para trazer o pescado para venda em Manaus são investimentos participativos que tornam o manejo de pirarucu do Amazonas um exemplo de sucesso na Amazônia, que está mudando a vida das famílias ribeirinhas. “A ideia é compartilhar conhecimento, métodos de trabalho e entender também como são desenvolvidas atividades em áreas de produção, e estratégias para maior rentabilidade para a produção do Peru e a nossa, associadas a práticas sustentáveis”, explicou Marcelo Castro.

Agenda sustentável

Além da troca de experiência técnica, a atividade focou em uma economia sustentável e na valorização dos produtos da natureza. “Essa troca de experiência busca fortalecer a sinergia existente entre as instituições que aqui vieram, para que assim seja fortalecida uma agenda que valorize os produtos da natureza. Nós, da FAS, buscamos repassar nossa experiência logística na Amazônia profunda e aprender também. Como o Peru conseguiu, por exemplo, inserir na sua cozinha riquíssima, a cultura da gastronomia sustentável”, comentou Eduardo Taveira, superintendente-geral da FAS.

Para Karina Pinasco, diretora-executiva da AMPA, o encontro foi o início de uma agenda para unir esforços que ultrapassam fronteiras e estimula a troca de conhecimentos. “Experiências de troca de conhecimento como essa são essenciais para que possamos compartilhar soluções em conjunto, em prol de toda a Amazônia.

AMPA ensina a produzir insumos da alta gastronomia

A AMPA compartilhou a experiência peruana de inserção da sustentabilidade na gastronomia local, como na região de San Martín, onde foi realizada a “Expo Amazônica San Martín 2017”. O distrito é conhecido no país por desenvolver uma série de projetos para maximizar a produção de insumos gastronômicos, em pratos de alta gastronomia com pirarucu e camarão, como parte da estratégia de desenvolvimento sustentável da região. Como continuação da parceria, a equipe da AMPA virá a Manaus no mês de novembro, para conhecer a experiência do manejo de pirarucu e do comércio do pescado no Amazonas.

“Desde a ponta, que aprendemos com a experiência da FAS com o manejo, até a experiência peruana que pudemos compartilhar, de como o peixe chega do produtor ao cozinheiro de um restaurante, valorizando toda essa cadeia”, disse Karina Pinasco.