Quinta-feira, 02 de Julho de 2020
DECISÃO

Justiça suíça indicia presidente do PSG e ex-secretário da Fifa por corrupção

Em um comunicado, o gabinete do procurador-geral suíço (MPC) informou ter indiciado os dois dirigentes "no contexto da atribuição dos direitos de transmissão de diferentes Copas do Mundo e Copas das Confederações da Fifa"



GONZALO_FUENTES_F69B3B82-56AF-4EA4-B0C8-03048EB5E654.jpg Foto: Gonzalo Fuentes/Reuters
News thumb afp d084093c bf21 4ede 853c 0cfb6068260d AFP
20/02/2020 às 09:27

A Justiça da Suíça anunciou nesta quinta-feira (20) que indiciou o presidente do Paris Saint-Germain e do grupo beIN Media, Nasser Al Khelaifi, e o ex-secretário-geral da Fifa Jérôme Valcke em um caso de corrupção ligado à "atribuição dos direitos de TV da Copa do Mundo.

Em um comunicado, o gabinete do procurador-geral suíço (MPC) informou ter indiciado os dois dirigentes "no contexto da atribuição dos direitos de transmissão de diferentes Copas do Mundo e Copas das Confederações da Fifa".



O MPC acusa Valcke de "corrupção passiva, gestão desleal múltipla e falsificação de documentos", enquanto Al-Khelaifi e outro empresário, que também atua na área dos direitos de transmissão de eventos esportivos, mas que não teve o nome divulgado pela Justiça suíça, são acusados de "instigação à gestão desleal cometida" pelo ex-secretário-geral da Fifa.

O terceiro homem também foi acusado de "corrupção ativa".

De acordo com o MPC, Valcke utilizou, entre 2013 e 2015, sua influência como secretário-geral da Fifa "para favorecer os grupos de comunicação de sua preferência nos processos de disputa dos direitos de transmissão, para Itália e Grécia, de várias Copas do Mundo e Copas das Confederações no período de 2018 a 2030".

A investigação revelou, segundo a Procuradoria, que Valcke recebeu pagamentos indevidos dos dois coacusados. O ex-número dois da Fifa também obteve, conforme a Justiça suíça, o reembolso de um depósito de quase 500.000 euros que havia transferido para terceiros por uma residência na Sardenha, depois da compra do imóvel por Al-Khelaifi, através de uma empresa.

Valcke obteve depois de Al-Khelaifi o direito de utilizar a residência de modo exclusivo por um período de 18 meses no total - até sua suspensão da Fifa - sem pagar o aluguel, calculado entre 900.000 e 1,8 milhão de euros.

Além disso, Valcke recebeu do terceiro homem três pagamentos por um valor total de 1,25 milhão de euros a sua empresa Sportunited Sarl.

O MPC acusa Valcke de enriquecimento ilegal e de não ter revelado os "benefícios" recebidos à Fifa, um comportamento contrário a seus deveres no âmbito de sua atividade como secretário-geral" da entidade.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.