Terça-feira, 14 de Julho de 2020
ESPORTE E QUARENTENA

Atletas usam pausa para descanso e criatividade no preparo físico para após a pandemia

Imposições do novo coronavírus faz com que atletas busquem alternativas para ao menos manter a forma visando o retorno das competições. O descanso é a única opção para alguns deles



ginastica_em_casa_covid_-_192003200055_0_ECDE3311-E7BA-475F-A4DD-DEF3B4736994.jpg Foto: Rahel Patrasso/Reuters
23/04/2020 às 16:56

Os impactos imprevistos de uma pandemia em escala global que já era imprevista afetam a todos, mas um setor específico é altamente impactado: o de esportes. Com o novo coronavírus (Covid-19) no chamado “pico da curva” em vários países do mundo e em plena ascensão em outros locais, como no Brasil, praticar esportes ao ar livre, atividade que era rotina e fundamental para uma vida saudável, se tornou, por hora, um perigo.

O maior exemplo desses impactos talvez seja o adiamento das Olimpíadas de Tóquio. A mudança da data de execução desse mega evento foi algo inédito na história do esporte no mundo. Em meio a incertezas, preocupações e prevenções, há uma pergunta, ainda sem resposta, que não destoa: quando o esporte vai voltar ao redor do mundo?



À espera de respostas para essa pergunta, especialistas, técnicos, atletas e todos que foram pegos de surpresa criaram uma nova e necessária rotina: dentro de casa. Conforme o site de futebol bets Betway Esportes, clubes europeus de futebol – também afetados - seguiram todos a mesma linha: planilha de treinamentos semanais para os jogadores. Segundo o site, o método de treinamento seguiu um ritmo mais leve, com planos para que quando a temporada retorne, os atletas tenham em torno de 50% a 60% do condicionamento físico.

Outro problema surge. Atividades em casa nem sempre são tão democráticas. Exercícios aeróbicos, por exemplo, podem ser realizadas indoor sem problemas. No entanto, atletas como nadadores olímpicos, atletas do hipismo, judocas, entre outros, terão mais problemas quando a quarentena acabar e eles tiverem que voltar aos ritmos da temporada. Muitos ainda precisam passar por eventos qualificatórios, para só depois pensar na olimpíada.

As dificuldades se acentuam em campeonatos com menor apelo comercial. Ligas locais, como o Campeonato Amazonense, que busca nas transmissões dos jogos alavancar patrocínios, além da vendagem de ingressos para manter em dia a folha de pagamento dos jogadores e funcionários são duramente impactados.

Recentemente, em ação de auxílio emergencial aos clubes, a Confederação Brasileira de Futebol garantiu o repasse de R$ 120 mil 68 clubes que disputam a Série D do Brasil. Entre eles, os amazonenses Nacional FC e Fast estiveram entre os beneficiados. No futebol feminino a situação é ainda pior. Em crise financeira, o Iranduba não tem onde tirar receita e aguarda definição da CBF para o restante do calendário de 2020.

Em entrevista ao Betway Insider, o maratonista Paulo Paula disse preferir enxergar o lado positivo da situação. Pré-convocado para sua terceira olimpíada, o atleta que treina e mora em Portugal diz que está aproveitando a parada para descansar.

“A missão agora é descansar, fazer um treinamento paralelo, porém sem sair na rua, e aproveitar para descansar o corpo. Acredito que no segundo semestre muitos atletas voltarão à toda energia, vai ter muita competição acumulada”, comentou o maratonista, ao destacar que com mais descanso, pode ser que as competições na Olimpíadas de Tóquio, em 2021, sejam ainda mais competitivas.

“Com certeza todos eles vão voltar com muita vontade de obter o índice, de vencer. Acredito que serão bons jogos e de muitas quebras de recordes”, previu.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.