Publicidade
Entretenimento
Música

'Sou muito emotivo quando canto Raul Seixas', diz Wanderley Andrade

Em entrevista a A CRÍTICA, o cantor paraense conta detalhes sobre a gravação do DVD no Porão e sobre o show 'brega chic' no Dulcila, que vai acontecer neste sábado (12) 11/08/2017 às 16:21 - Atualizado em 11/08/2017 às 16:26
Show dsc03088
Foto: Emerson Lamego/Divulgação
Laynna Feitoza Manaus (AM)

Wanderley Andrade havia acabado de chegar de uma turnê no Tocantins quando falou com a reportagem. Pediu desculpas pela voz “pesada” – segundo ele, por conta da viagem. Mas nada havia afetado o humor do “bregueiro de alma, mas roqueiro de sangue”, conforme ele mesmo se classifica. Ele disse “Make yourself comfortable” (“sinta-se confortável”, como se quisesse, com muito carinho, abrir o livro da sua vida). “Fique à vontade, como se você tivesse na sua casa, fazendo pergunta para a sua irmã, ou irmão”, declarou.

A conversa tomou dois pontos de partida. O primeiro é o show “Brega Chic”, projeto que une ele e Elymar Santos em uma noite só no dia 12 de agosto, às 22h, no Dulcila Festas. Outro é a gravação do DVD ao vivo “Wanderley Andrade canta Raul Seixas”, em que ele vai fazer uma homenagem ao pai do rock nacional. A gravação vai acontecer no dia 31 de agosto, a partir das 18h. Como o show no Dulcila será antes do Porão, fomos por partes. No dia 12, Andrade vai cantar o famoso brega chic, que tem raízes importantes no cenário internacional. Mas ele alega que também vai atender aos pedidos do público.

“Vou cantar músicas americanas, os grandes bregas que ainda fazem sucesso na América. São canções de artistas como Shakin Stevens, Elvis Presley e Roy Orbison – cantor da icônica “Oh, Pretty Woman”. “E, naturalmente, vou cantar as minhas canções, as que o povo domina. A alta sociedade hoje é fã de Wanderley Andrade, por incrível que possa parecer. Não é só no Amazonas, é no Acre, Roraima, Tocantins, São Paulo, Rio de Janeiro...”, comentou ele, sem esconder a alegria de voltar a Manaus. “Estou muito feliz voltando nessa terra maravilhosa”, coloca.

O figurino do show no Dulcila também vai ser inspirado. “Já espera-se um Wanderley Andrade chique, voltando aos áureos anos 70. Roy Orbison, por exemplo, foi considerado um cara meio que brega. Ele tinha um óculos maravilhoso que o caracterizava. Shakin Steven era um outro cara que vestia um tom elevado de cores, e Elvis Presley dispensa comentários, usava aquelas roupas maravilhosas. Não me comparo, mas são referências extraordinárias que agregam ao personagem que é o Wanderley Andrade”, aponta ele.

Tributo a Raul

Já no dia 31, Wanderley retornará ao lugar que foi um divisor de águas na sua carreira. Sobre o tributo ao Raul, nota-se o brilho em sua voz ao falar da mega produção que ele e sua equipe pretendem fazer na casa de rock. “Meu forte é cantar Raul porque meu timbre parece com o dele e minha inspiração musical e ideológica sempre se divide entre Reginaldo Rossi e Raul Seixas, aqui no Brasil. Nesse show, vou tentar me preparar muito, porque sou muito emotivo quando canto Raul. Vou gravar um DVD lindo, com minha banda maravilhosa”, pondera ele.

Andrade hoje comemora a democratização do brega em meio a lugares que antes o gênero não ocupava. “Hoje os roqueiros estão cantando minhas canções, isso é música e não tem prazo de validade. Foi lindo aquele show no Porão, porque eu estava lá fazendo Nirvana e outras coisas... tinha chegado dos Estados Unidos, estava numa turnê lá. Aí depois eu vi aquele mundo de gente cantando ‘Traficante do Amor’, foi um momento ímpar na minha vida. É ímpar você conseguir entrar musicalmente na mente dos caras roqueiros, onde alguns são radicais, e eu consegui. Uma vez um cara postou: ‘Nunca vi uma frase tão rock’n’roll na minha vida, como ‘vou fazer rebelião no seu coração’”, completa o paraense.

Serviço

o quê: Show de Wanderley Andrade e Elymar Santos

onde: Dulcila Festas (Av. Coronel Teixeira, 5982, Ponta Negra)

quando: 12 de agosto, às 22h

infos: (92) 99153-0545

 

o quê: Gravação do DVD de Wanderley Andrade

onde: Porão do Alemão (Travessa Ponta Negra, 1986, São Jorge)

quando: 31 de agosto, a partir de 18h

quanto: R$ 20 (pista) e R$ 40 (VIP)