Terça-feira, 01 de Dezembro de 2020
MÚSICA

Cantora Ellen Fernandes adapta livro infanto-juvenil em música

'Luzes da Floresta' faz parte do disco de estreia da artista: ‘Batelão da Amazônia’



Capturar_AC2F6F62-7299-4DDC-A794-219447A22D2E.JPG Foto: Divulgação/Janssem Cardoso
15/10/2020 às 18:32

É comum na indústria do entretenimento vermos adaptações sendo feitas a todo momento, peças que viram filmes, livros que viram séries, quadrinhos que viram jogos e, agora, temos também livros que se transformam em música. No que depender da musicista Ellen Fernandes, a novidade prova-se certeira e deve inspirar outros artistas a fazerem trabalhos semelhantes no futuro.

No caso de Ellen, a obra escolhida foi o livro infanto-juvenil ‘Brilhos na Floresta’, de autoria da bióloga Noemia Ishikawa, o pesquisador japonês Takehide Ikeda, o indígena Aldevan Baniwa e a antropóloga amazonense Ana Carla Bruno. A obra, lançada no ano passado em quatro idiomas diferentes (português, japonês, inglês e nheengatu), conta com ilustrações de Hadna Abreu e é resultado de uma expedição da equipe em busca de fungos luminescentes. 



“Tive acesso a uma descrição presente no livro da fala do indígena no momento em que os cientistas buscavam enxergar os cogumelos e que me marcou muito. O indígena dizia que muitas vezes para que possamos enxergar algo era necessário apagar as luzes, que nem tudo que se procura, se encontra iluminando”, contou Ellen, amazonense mestre em Artes na área de Etnomusicologia pela Universidade de São Paulo (USP), onde pesquisou a música indígena da etnia Sateré Mawé do Amazonas.

Segundo Ellen, a leitura, feita em um momento difícil na sua vida, foi marcante e lhe propiciou muitas reflexões. “Lembro de apagar as luzes do quarto, fechar os olhos e começar a refletir sobre nunca deixar apagar o que era necessário no percurso existencial. Me senti então naquela floresta, onde aqueles cogumelos cheio de luz eram a metáfora da força da natureza que sempre tem algo a nos ensinar, a metáfora dessa mãe maior verde que nos cuida, e tudo nos dá, nos ampara”, disse ela, ressaltando que compôs a música na mesma noite a partir da frase “apaga a luz pra ver”.

Batelão da Amazônia

A música recebeu, então, o nome de ‘Luzes da Floresta’, e é a 7ª faixa do álbum ‘Batelão da Amazônia. Batelão é barco de madeira, característico da região amazônica, o símbolo das viagens que carregam histórias, sons e memórias. 

A artista conta que escolheu esse nome para o seu primeiro CD de carreira, para simbolizar a riqueza musical amazônica e a possibilidade de levar essa riqueza por muitos lugares. “Navegando como um barco, partindo com memórias e carregando influências dos lugares que passei, do trajeto musical dos músicos, da troca com o público, construindo essa viagem musical através das canções”, explica Ellen Fernandes.

São 10 faixas autorais, e a produção do CD foi assinada pelo músico Fi Maróstica. A realização do CD foi possível graças a um financiamento coletivo que teve a contribuição de mais de 100 pessoas de diversos estados brasileiros. O CD encontra-se disponível no Spotify, e conta com um clip da música ‘Sede’, gravado no Museu da Amazônia.

Do livro à canção 

Para a autora do livro, Noemia Ishikawa, a adaptação ficou perfeita, posto que capturou bem a essência do livro e sua principal mensagem. “Apagamos as luzes, mas no escuro podemos encontrar o que procuramos. É a mensagem do livro que foi bem retratada na música. Não  conhecia a Ellen pessoalmente, mas foi lindo o livro ter chegado até ela. Ele cumpriu sua função de informar e foi além ainda, a inspirando artisticamente. Estou muito orgulhosa”, concluiu a autora.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.