Publicidade
Eleições
POLÍTICA

David Almeida anuncia saída do PSD e diz que não apoiará Braga e Amazonino

O governador, que apoiava a candidatura de Rebecca Garcia (PP) no pleito, disse que tem coragem de seguir suas convicções e colocar a sua posição 08/08/2017 às 17:05 - Atualizado em 08/08/2017 às 18:20
Show david almeida
David Almeida (de rosa) disse que não apoiará "caciques" no segundo turno. Foto: Antônio Lima
Janaína Andrade e Rafael Seixas Manaus (AM)

O governador do Amazonas, David Almeida, divulgou em coletiva de imprensa, na tarde desta terça-feira (8), que não apoiará Amazonino Mendes (PDT) e nem Eduardo Braga (PMDB) no segundo turno da eleição suplementar marcado para o dia 27 deste mês. Na coletiva, ele anunciou ainda a sua saída do Partido Social Democrático (PSD).

David, que apoiava a candidatura de Rebecca Garcia (PP) no pleito, disse que tem coragem de seguir suas convicções e colocar a sua posição.

“Eu não posso fugir e brigar contra aquilo tudo que eu combati no processo eleitoral, que é o caciquismo, que é o Estado do Amazonas voltar para trás. Tem gente que acorda tarde e que não gosta de trabalhar e que fica escrevendo cartinha no Facebook. Deixa pra lá. O que falta é àqueles que pregam o novo se unirem. Como que agora vou subir no palanque daquele que eu critiquei três dias atrás. Ou vocês têm dúvidas que eles se odeiam? Mas eles se unem em razão de conveniências. Mas se juntam, se sufocam e todos sucumbem”, declarou.

Ainda de acordo com o então líder do Poder Executivo no Estado do Amazonas, passado o momento eleitoral ele volta a ser deputado estadual e retorna para a presidência da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM).

“E vocês vão ver pela primeira vez nesse Estado a Assembleia cumprir o seu papel. Ou vocês têm duvida que vamos fazer isso?  Eu não quero prejudicar o próximo governador, mas combato teses. Não vamos aqui dificultar a vida de nenhum dos dois, mas o diálogo será outro. Ninguém vai me enganar. No primeiro turno eu falei que não apoiaria nem criador, nem criatura, e não  vou. São todos mentirosos. Eu vou continuar andando de cabeça erguida. Eu não vou trair a confiança daqueles que confiam em mim. Portanto eu não me sinto no dever de obrigar ou marchar com nenhum dos dois nesse momento, em razão das posições e convicções que tenho”, destacou.

O governador ainda pediu aos eleitores do Estado não anulem seus votos. Os somatórios de votos brancos, nulos e abstenções no primeiro turno chegaram a 440.553, na capital. Enquanto no interior, chegaram a 408.975.

 “Eu não vou anular meu voto. Peço que ninguém anule. Como vou apoiar o Amazonino que quer me tornar inelegível?  Covardes. Amanhã vou falar várias verdades. Não devo nada a empresários, partidos, portanto é por isso que eu encaro de frente qualquer um. Vou me colocar como uma figura neutra (no pleito”, finalizou.