Terça-feira, 14 de Julho de 2020
Negócios

Mercado de festas e eventos só deve retornar no segundo semestre

Estudo aponta que 98% do mercado de eventos foi afetado pela crise do coronavírus. Organizadores de eventos ouvidos pelo +Dinheiro comentam como serão as perspectivas para o segmento este ano



1690998_6551C603-4339-4F72-B6A4-8757C6B2B288.jpg O casal Marina e Willian realizou seu casamento 25 de janeiro de 2020, bem antes da parada dos eventos. Foto: Estudio Lumi
11/05/2020 às 16:58

Boa parte dos eventos marcados para o primeiro semestre de 2020 tiveram que ser adiados. Com as medidas de isolamento social, estabelecidas para conter a pandemia do novo coronavírus, causador da Covid-19, muitos sonhos tiveram que, literalmente, ficar para depois.

Uma pesquisa realizada pelo Sebrae, em parceria com a Associação Brasileira de Empresas e Eventos (Abeoc) e a União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe), mostrou os impactos do coronavírus no setor de Turismo de Negócios e Eventos. De acordo com o levantamento, a pandemia impactou 98% das empresas do setor de eventos.



Prejuízo

“Impacto assustador. Prejuízo incalculável.” É assim que Dermi Melo Rayol, publicitária, especialista em marketing promocional e eventos corporativos, define o atual cenário do setor.

“Tenho plena consciência de que fomos os primeiros a parar e seremos os últimos a voltar às atividades normais. Deixando de gerar muita renda e de levar alegria para muitas pessoas nesse período”, afirma. 

Dermi atua na área desde 2007. Em 2014, foi eleita pela Associação de Marketing Promocional (Ampro) uma das 20 mulheres mais influentes do mercado no Brasil. 

Ela conta que dois dos maiores eventos do seu calendário acontecem entre o meses de maio de junho, que são o arraial de um shopping da cidade e o Encontro das Tribos, evento próprio. 

“Já estávamos em planejamento e contratação de fornecedores e fomos surpreendidos por essa pandemia, que nos deixou de mãos atadas e sem opção a não ser suspender tudo”, lamenta. 

Os eventos são os mais geram renda para os seus parceiros. O Encontro das Tribos é um dos eventos mais concorridos da temporada bovina que antecede o Festival de Parintins. 

“Geramos cerca de 300 empregos diretos e indiretos. O planejamento se iniciou logo após o Carnaval, já com patrocinadores e atrações fechadas. Ainda estou na esperança de realizá-lo esse ano, mas sem data definida”, compartilha. 

Dermi está tentando contornar a situação da maneira mais tranquila possível. “Não é um fato isolado, não é algo que atinge apenas a mim. É uma tragédia que está levando pessoas queridas e que o momento pede que sejamos solidários e compreensivos”, pondera.

Contratos que já estavam fechados estão sendo renegociados. O que precisou ser cancelado tem sido de maneira muito cautelosa para gerar menos danos possíveis. 

A publicitária acredita que antes de agosto é impossível voltar. “Até se estabelecer a segurança da saúde da população e do comércio, e a economia voltar à normalidade tem muito o que se organizar”, afirma. 

Ela acredita que, no pós-pandemia, a tendência será as marcas e eventos cada vez mais conscientes da responsabilidade social. “Num curto espaço de tempo, eventos com aglomerações estão totalmente descartados. Num futuro próximo a etiqueta de saúde será modificada. Dispensers de álcool em gel abundantemente instalados será definitivamente uma tendência também”, projeta. 

Festas e casamentos

Danielle Sena é especialista em assessoria e cerimonial para eventos sociais. No ramo desde 2015, ela relata que todos os eventos marcados até julho deste ano, foram remanejados para novas datas no segundo semestre. Felizmente, ela teve apenas um casamento cancelado. 

“Eu falo para os meus clientes que a gente precisa viver um dia de cada vez para tomar a melhor decisão a partir de como as coisas vão se mostrando para nós”, conta.  A especialista acredita que ainda existe muita insegurança para os eventos que já estavam marcados para o segundo semestre.

Adiar não é uma decisão fácil quando tem sentimento envolvido. Eventos sociais despendem investimento emocional e financeiro.  O impacto financeiro desses adiamentos atinge toda a cadeia de pessoas envolvidas no evento. Um casamento, por exemplo tem em média de 15 a 30 fornecedores. 

Diante de um cenário de tantas incertezas, o mercado teve que se unir ainda mais. Danielle conta que os fornecedores estão flexíveis e abertos para as mudanças de datas. “Estamos de mãos dadas para fazer o melhor”, afirma.

Uma coisa é certa, neste momento, não é possível projetar nada a curto prazo. Quem estava programando começar um planejamento em 2020, provavelmente vai passar para 2021.  A preocupação com o bem estar da família e dos amigos é um dos principais motivos.

A pandemia vem para estabelecer novas tendências para os próximos meses, como eventos menores, uso de máscaras e muito álcool em gel.

A previsão é que este setor retome suas atividades a partir de agosto. Até lá, a preocupação maior é se o fornecedor vai se manter em pé para atender os contratos firmados.

Danielle é confiante e deixa um recado: “não pare de planejar, seu evento não está de quarentena”. Os eventos pós-pandemia serão carregados de muita gratidão por ultrapassar essas dificuldades. 

Eventos corporativos

Quem trabalha com eventos corporativos também já se prepara para um novo cenário pós-pandemia. Guto Oliveira, sócio da WG Produções, concorda que o setor retoma as atividades de forma tímida no segundo semestre. 

A WG é uma produtora de eventos corporativos exclusivos, que trabalha desde o layout à entrega de convites, ações e confirmação de presença do público. 

Na semana em que o isolamento social foi determinado, a empresa tinha três eventos marcados. Todos precisaram ser adiados. “Nosso impacto foi muito mais emocional do que financeiro”, explica o empresário. 

Grande parte dos eventos da WG já foram pagos. Apenas um evento de Páscoa foi cancelado.

Ele afirma que o momento é uma verdadeira via de mão dupla. Ao mesmo tempo em que os empresários precisam dos eventos para fazer a economia girar, eles entendem a necessidade do nosso cenário atual. Ainda é preciso esperar para saber como proceder. 

Para o pós-pandemia, Guto vislumbra um novo tipo de consumidor. “A tendência é que os eventos corporativos sejam mais selecionados, enxutos e direcionados para o público alvo dos contratantes”, diz. 

Outra tendência que deve vir muito forte é a de eventos online. Neste período de pandemia, Guto organizou uma exposição virtual para um cliente de loja de decoração, os resultados foram bem positivos. 

Pesquisa nacional

A pesquisa realizada pelo Sebrae, em parceria com a Associação Brasileira de Empresas e Eventos (Abeoc) e a União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe) ouviu 2.702 profissionais do segmento.

Destes, cerca de 48% se preocupam com a adequação do modelo de negócio da empresa durante este período, 43% com a retenção dos clientes atuais, 40% com o corte de custos, 35% com o acesso ao crédito e 15% com a adequação da empresa às normas sanitárias estabelecidas pelo governo.

Mudanças de planos

Danilo Medeiros, 25 anos, gerente no Restaurante do Dadá e dono do podcast Quarentreta vai casar este ano. Ele e a noiva Mônica tinham uma linda cerimônia de casamento agendada para o mês de abril. Como consequência da pandemia, o casal precisou adiar os planos e celebrar apenas a união religiosa com efeito civil. 

A festa foi reagendada para o dia 21 de junho e terá uma série de alterações. Além do uso de máscaras e álcool em gel, o casal estuda a possibilidade de reduzir a lista de convidados, para ficar com ambiente espaçoso e seguro. 

Não foi uma decisão fácil. “Passamos meses planejando e do nada tivemos que mudar todos os planos. A minha noiva, Mônica, ficou muito abatida. Pensou em nós mudarmos a data, mas a gente resolveu continuar”, conta Danilo. 

“Graças a Deus, não tivemos nenhum prejuízo. Os fornecedores foram bem compreensivos, entenderam perfeitamente e nos ajudaram a escolher a nova data”, relata. 

Ainda assim, o casal teve problemas para comprar móveis para a casa nova e precisou cancelar a Lua de Mel, que seria em Fortaleza.  

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.