Sábado, 04 de Julho de 2020
Em Defesa Delas na Quarentena

Projeto cria rede de proteção e combate à violência doméstica em Parintins

Iniciativa da Defensoria Pública do Estado (DPE-AM) une instituições para proteger mulheres durante o período de confinamento; números de WhastApp para denúncias são disponibilizados



24D02A01-DA5A-487D-85D3-6CCB5084EAB0_8329AAB4-694B-475F-B5F3-2FB247790F3A.jpeg Foto: Arquivo/A Crítica
15/04/2020 às 16:22

Um projeto desenvolvido pela Defensoria Pública no Polo do Baixo Amazonas, em Parintins, vai facilitar o acesso de mulheres a uma rede de contatos com o propósito de combater a violência doméstica durante a pandemia do coronavírus.

Batizada de "Em Defesa Delas na Quarentena", a inciativa estabelece canais exclusivos e seguros para que mulheres vítimas de violência denunciem agressões e possam receber a assistência jurídica, social, psicológica e de segurança necessárias para esse tipo de situação.



De acordo com as defensoras públicas Gabriela Gonçalves e Enale Coutinho, autoras do projeto, o objetivo da rede é fazer com que o fluxo de atendimento à mulher vítima de violência doméstica não sofra entraves, possibilitando rápida resposta e intervenção do sistema de proteção.

O sistema é composto por instituições e grupos da sociedade civil organizada, sensíveis ao tratamento das situações de violência doméstica. 

Além da Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), fazem parte da rede a Polícia Militar, o Serviço Social da Delegacia de Polícia Civil de Parintins, a Secretaria Municipal de Assistência Social, o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e o coletivo de mulheres (Movimento Teia) formado por professoras das Universidades Federal (Ufam) e Estadual (UEA) do Amazonas.  

Gabriela Gonçalves e Enale Coutinho ressaltam que por meio de números de telefone, com WhatsApp (listados abaixo), as vítimas poderão informar diretamente a uma policial feminina a violência sofrida, especialmente nas situações que exigem pronta ação repressiva.

A PM acionará a Defensoria, repassando a ocorrência e, por meio da assistência jurídica, serão tomadas as medidas necessárias como, por exemplo, o ajuizamento de medida protetiva de urgência. Também será acionado o serviço social da Delegacia de Polícia Civil e o Creas, para acompanhamento psicológico a ser realizado, inclusive, por meio remoto.

A vítima também terá ao seu acesso um contato de telefone, com WhastApp, para denunciar, caso queira, a violência diretamente à Defensoria e aos grupos de mulheres organizadas da sociedade civil para que sejam adotados os encaminhamentos devidos.

“Conforme tem sido noticiado pela mídia nacional, a partir de dados oficiais extraídos das instituições de controle, as necessárias medidas de isolamento social, por conta do coronavírus, têm provocado o aumento da violência doméstica”, disse a defensora pública Gabriela Gonçalves.

“Nesse sentido, é dever do sistema de proteção dos direitos da mulher atuar para diminuir os impactos sociais resultantes das medidas levadas a efeito no âmbito do combate à Covid-19. A mulher pode optar por ligar diretamente para a PM ou para a Defensoria e Assistência Social. Em todos os contatos, ela será atendida preferencialmente por uma mulher, salvo a linha direta da PM, após às 17h, e terá a assistência que precisa com a adoção das devidas providências”.

Segundo Enale Coutinho, outro aspecto importante do projeto é fazer com que mulheres vítimas de violência não se sintam desamparadas com a suspensão do atendimento presencial nas instituições nas quais poderiam solicitar ajuda.

“A pandemia fez com que instituições suspendessem o atendimento presencial. Contudo, continuamos atuando em teletrabalho e esse projeto surge para ser uma ferramenta de apoio para a mulher vítima de violência nesse momento sensível”, ressalvou.  

“Essa iniciativa é necessária para que a mulher tenha a assistência que precisa. Já tínhamos interesse em fazer um projeto para melhorar o fluxo de atendimento a vítimas de violência e, com a pandemia, adotamos esse direcionamento, que foi prontamente atendido pela PM, Secretaria de Assistência Social e Coletivos de mulheres”, destacou Enale.

Confira os contatos para denúncias exclusivas do projeto "Em Defesa Delas na Quarentena":

• Polícia Militar em Parintins: (92) 98466-4856, de 8h às 17h (atendimento realizado somente por policiais femininas). Após às 17h, (92) 99270-7803 (Linha direta), todos os dias da semana.

• Defensoria Pública no Polo do Baixo Amazonas (Parintins): (92) 98455-6153, de 8h às 14h, segunda a sexta-feira.

• Serviço Social da Delegacia de Polícia Civil em Parintins: (92) 99484-3103 e (92) 99212-9506, de 8h às 13h, de segunda a sexta-feira.

• Atendimento psicológico do Creas: (92) 99195-2475, de 8h às 17, de segunda a sexta-feira.

• Movimento Teia (rede de proteção das mulheres enquanto grupos organizados da sociedade civil): (92) 99130-6594 e (92) 99102-2602, de segunda a sexta-feira.

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.