Domingo, 29 de Março de 2020
ENTREVISTA

‘Homens aqui são minoria; mulheres trabalham melhor’, diz reitora da Fametro

Reitora de um dos maiores centros universitários privados do Amazonas, Maria do Carmo Lins fala, dentre outros assuntos, sobre os planos de expansão da Fametro para outros estados



1573137_FC978034-241D-4D1E-BDDE-A31AEBA5924C.JPG Foto: Junio Matos
16/02/2020 às 16:54

Com 18 anos de história, o centro universitário Fametro se prepara para ampliar a sua atuação para outros estados das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste. A instituição de ensino superior, comandada pela reitora Maria do Carmo Lins, atualmente mantém unidades em Manaus, Tabatinga, Tefé e Manacapuru.

A reitora, que faz parte da família Lins, dos deputados Átila e Belarmino, relembra, em entrevista para A CRÍTICA, os desafios enfrentados pela instituição ao longo de quase duas décadas de existência. Fala também da instalação do hospital universitário da Fametro no histórico prédio da Santa Casa de Misericórdia. A seguir, a entrevista.



A Fametro já tem presença em alguns municípios do interior. A instituição enxerga no interior do Amazonas uma parcela de mercado lucrativa?

A faculdade não tem esse perfil de ficar olhando mais o lucro, olhamos o lado social e apostamos nisso, de alguma forma vai vir o lucro, obviamente que a gente não pode ter prejuízo, mas a gente já registra um lucro menor. Vamos fazer uma métrica, se existir uns mil alunos lá (unidades do interior), você pode ter mil alunos espalhados, no fim soma esses alunos espalhados pelo interior, pode se chegar a 10 mil alunos. O mais importante é levar o trabalho da universidade de formar pessoas no interior. Isso é uma coisa que não tem valor.


"Comentavam que quando a Estácio viesse para cá, a Fametro acabaria. Não acabou”. Foto: Junio Matos

Existe interesse de grupos de educação internacionais em se tornar parceiros da Fametro?

Já fomos procurados por todos os grupos que se instalaram aqui em Manaus: Laureate International Universities, Ser Educacional e Kroton Educacional. Não temos interesse porque a gente tem um projeto de educação que não se coaduna com os interesses dos grandes grupos. Comentavam que quando a Estácio viesse para cá, a Fametro acabaria. Não acabou. Para nós não é interessante seguir as normas de um grupo nacional ou estrangeiro, porque temos um projeto de educação. E a nossa intenção é replicar o que fazemos aqui em outros estados.

Quando começou a trajetória da Fametro?

Em 2002, quando a Fametro havia iniciado as suas atividades ainda como faculdade, possuíamos alguns cursos na área de Administração em gestão de cidades e Administração em gestão de negócios e turismo.  Nesses quase 18 anos, a instituição evoluiu e atualmente conta com organizações satélites, primeiramente com a consolidação do centro universitário Fametro, Faculdade Amazonas, em Manacapuru, Fametrotec, responsável pelos cursos técnicos, colégio de ensino fundamental e médio, Cemetro, a escola de idiomas, Ceuni Fametro, que cuida dos cursos de pós-graduação, especialização e MBA.

Hoje a unidades são mais de cinco espalhadas pela cidade de Manaus e municípios do interior do Amazonas. Estamos construindo um prédio no outro lado da Djalma Batista, que vai ser um edifício verde. Ele será construído dentro das normas ambientais, ecologicamente correto e com energia solar.

Para falar da história da Fametro, é importante falar das clínicas dos cursos de saúde, que a gente realiza atendimento à comunidade. Tem clínica de nutrição, psicologia e assim por diante. Contamos com mais de 11 mil metros de estacionamento.


"Seremos a única instituição de ensino superior (privada) com um hospital universitáo próprio". Foto: Junio Matos

No ano de 2004, a instituição se incrementou com mais cinco cursos e também começaram os cursos de pós-graduação. Dois anos depois, em 2006, acumulamos onze novos cursos. A partir de 2009, intensificamos pesquisa e extensão, isso é muito importante, porque as universidades privadas quase não dão ênfase à essa área. Incentivamos a pesquisa entre os nossos alunos além do TCC, várias alunos nossos já ingressaram em programas de mestrado. Formaremos 16 novos doutores em direito em uma parceria junto à PUC Minas.

Em 2010 conseguimos um avanço no IGC, mas ainda não era o que almejávamos. No ano seguinte, passamos a ser a primeira universidade privada no IGC e desde então nunca mais saímos da liderança. Em 2020, mudamos de faixa. A UFAM tem nota 4, porém ela está em uma faixa abaixa da nossa, então entende isso como uma conquista para a gente.

Neste ano, traremos professores da Universidade de Bolonha para fazer um intercâmbio com nossos professores, depois desta experiência mandaremos nossos professores para lá.

Qual é a expectativa da Fametro para 2020?

Em 2020, as nossas metas são consolidar o crescimento da instituição em Manaus, manter o rendimento dos alunos no índice Geral de Cursos (IGC), a consolidação da expansão, tornar referência as unidades do interior. Por exemplo, a unidade da Zona Leste já é um sucesso, por si só ela já é uma faculdade, ela está com quase 4 mil alunos, isto é, pode ser considerada uma faculdade grande. Isso mostra que havia realmente a necessidade, o desejo das pessoas de estudar naquela região da cidade.


"A faculdade não tem esse perfil de ficar olhando mais o lucro. Olhamos o lado social e apostamos nisso". Foto: Junio Matos

Nesses 18 anos, o que mais marcou a sua história dentro da instituição?

Ao longo desses 18 anos, penso que a aceitação que a Fametro  teve no Amazonas, foi reconhecida, por isso o crescimento dela e agora essa expansão que a gente está executando desde o ano de 2018. Primeiro, para zonas periféricas de Manaus, Zona Leste, Zona Norte, Cachoeirinha, Zona Centro-Sul, abrangendo toda a cidade. Essa expansão também leva em conta o interior do Amazonas. Então eu acho que isso é um marco na nossa história.

Agora para o próximo ano há planos de avanço para outros estados. Neste primeiro momento, para Santarém, no Pará, Boa Vista, em Roraima, Brasília, Fortaleza, no Ceará, esses são os estados em que a Fametro pretende ter uma sede nos próximos anos.

Um dos investimentos da instituição que chamou atenção foi a criação de um hospital universitário no local da então abandonada Santa Casa de Misericórdia. Por que a universidade decidiu ter um hospital universitário?

A gente tinha um projeto pronto para construir um hospital universitário na avenida Torquato Tapajós. Seria em um terreno nosso que fica quase na frente da entrada do conjunto Santos Dumont. Lá seria o nosso hospital universitário. Com o leilão da Santa Casa de Misericórdia, o presidente do grupo Fametro, Wellington Lins deu a sugestão para a gente usar esse monumento tão importante na vida dos amazonenses. Mas não achamos que ia dar tanta repercussão, porque na verdade ele teve uma ideia bem nacional, vou fazer o hospital ali. Já é um local consolidado. Foi uma mudança significativa, pois agora vamos ter uma preocupação com a questão do patrimônio. A reforma e restauro já estão em andamento com uma equipe de arquitetos restauradores avaliando as benfeitorias propostas. Em 2022, se Deus quiser, a gente inaugura o hospital universitário da Fametro, que vai ser uma parte SUS e uma parte privada. Penso que hoje seremos a única instituição de ensino superior privada (em Manaus) com um hospital universitário próprio.

Estudo da Organização Mundial do Trabalho mostra que as mulheres são menos propensas a participar do mercado de trabalho do que os homens e têm mais chances de estarem desempregadas. O que a Fametro tem feito para reduzir a desigualdade de gênero e ter mais mulheres em posições de liderança na instituição?

Aqui na Fametro, particularmente, 80% da mão de obra é feminina. Isso foi feito desde o início. Os homens aqui são minoria. Não foi intencional, não, mas aqui as mulheres trabalham melhor. Eu cuido aqui do coração da instituição que é justamente o ensino, a qualidade de ensino, dos professores, dos alunos. Para mim, é um prazer, porque eu sempre acreditei que a educação é realmente o fator transformador na vida das pessoas, não me resta dúvidas sobre isso.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.