Quinta-feira, 01 de Outubro de 2020
CUIDADOS

Geriatra dá dicas sobre saúde e idosos relatam experiência com quarentena no AM

Riscos como quedas em casa apresentam maior perigo para os integrantes da melhor idade. Cuidados durante a pandemia devem ser redobrados, explica a geriatra Karoline Rodrigues



effd54c3-3b40-4370-ae13-e9b845a421d0_1C81DB01-FE52-4162-B276-DBAC9D0B8C5A.jpg Foto: Divulgação
04/05/2020 às 09:17

O Amazonas conta com mais de 6 mil casos confirmados do novo coronavírus, com um total de 548 óbitos. Em meio ao isolamento social, os cuidados com os idosos, considerados como grupo de risco, precisam ser redobrados. A equipe de A Crítica conversou com uma especialista para saber quais são as melhores medidas a serem tomadas pelos portadores da melhor idade em tempos de pandemia.

Segundo a geriatra Karoline Rodrigues, é preciso estar atento aos idosos que dependem dos cuidados de terceiros, bem como aqueles que já apresentam fragilidades físicas acentuadas. “Sabemos que o lugar onde o idoso mais cai é no domicílio. É preciso evitar subidas em escadas, cadeiras e carregamento de pesos”, disse.



A profissional ressaltou que é importante que os idosos evitem se expôr a superfícies escorregadias. “É necessário evitar lavar pátios com sabão, por exemplo. Também não é seguro deixar muitos objetos pequenos e sacolas espalhados pela casa”. Tapetes, que podem gerar quedas, não são itens desejáveis.

A funcionária pública aposentada, Dulcimar do Nascimento Velasco, 70, que mora em um condomínio com a filha e neta, disse à equipe de reportagem que toma muitos cuidados para evitar quedas.  “Me preocupo muito com relação a isso. Sempre verifico se o banheiro não está escorregadio, quando vou tomar banho”, contou.

Um irmão e uma irmã da ex-funcionária pública foram diagnosticados com Covid-19, mas estão quase recuperados. “Graças a Deus, eu já estava praticando meditação [antes do início da pandemia, o que vem me ajudando muito”.

Em quarentena há um mês e oito dias, a costureira Maria das Graças Ferreira de Souza, 69, disse que o isolamento social acabou interrompendo o trabalho dela. “Sinto falta de me arrumar todos os dias para trabalhar. Parei as atividades totalmente”, relatou.

Graça comentou que a época de isolamento social fez com que ela se sentisse mais grata pela saúde. “Todo dia, quando acordo, agradeço a Deus por estar bem e estou dando mais atenção à minha família”.

Convívio social e exercícios a distância

Karoline reforçou a importância de manter o contato social por meio de aplicativo de mensagens, telefone ou videoconferências. “Os nossos contatos sociais nesse período vão ser virtuais. A gente não precisa só ficar esperando o filho ou o amigo ligarem. Vamos passar a mandar áudios e fazer videochamadas por iniciativa própria também. É a hora de aprender a mexer na internet para não se isolar totalmente”.

Empresário na época de atividade, o aposentado Elias Benachio Pugliese, 69, comentou que mantém contato com uma confraria de degustadores de vinho por meio de videoconferência. Os oito integrantes do grupo conversam enquanto molham o paladar. “Fazemos isso há 18 anos, toda quinta-feira. A gente não pode perder o hábito. É preciso preencher o tempo”.

Pugliese afirmou que as atividades físicas cessaram completamente, desde que iniciou o isolamento social.

Karoline Rodrigues frisou que isso não pode acontecer. Segundo a geriatra, é preciso manter tanto a mente quanto o corpo ativos. “É possível ter acesso a cursos de diversas áreas, pela internet. Dá para assistir a aulas de jardinagem, fotografia e dança, bem como ter acesso a conteúdo relacionado à fisioterapia e à atividade física voltada para idosos, com exercícios praticáveis em casa”, disse.

A professora aposentada Anice Mustafa Fernandes, 79, em isolamento social há dois meses, relatou que faz uso da piscina que tem em casa para fazer  hidromassagem. “Também pratico atividades de respiração, para ajudar o corpo e a mente”.

Já Dulcimar comentou que mantém caminhadas no condomínio onde mora, três vezes por semana, pela manhã. “Estou gostando, porque vi nisso uma forma de acordar mais cedo. Estava dormindo e acordando tarde, antes de começar a me exercitar”, contou.

Cuidados com a alimentação

A época de quarentena pode aumentar os índices de ansiedade em algumas pessoas. Karoline pontuou que é importante que os idosos hipertensos ou diabéticos não se deixam levar pelo momento, desregulando as dietas.

“É imprescindível manter uma alimentação saudável. Cuidar das doenças crônicas, neste período, também é importantíssimo”.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.