Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020
saúde

Imunidade e nutrição: mitos e verdades para combater gripe e Covid-19

Especialista esclarece sobre alimentos mais indicados em tempo de pandemia para fortalecer o sistema imunológico



cover-s_EA05E100-10AC-4EA4-A149-58FBA9D892A0.jpg Foto: DIvulgação
30/06/2020 às 17:35

Com a pandemia do coronavírus, a função das vitaminas e a preocupação em aumentar a imunidade para o organismo nunca ficaram tanto tempo em pauta. No entanto, muitas informações a respeito estão sendo tiradas de contexto, sendo mal interpretadas e, por isso, precisam ser melhor esclarecidas. Do contrário, em vez de ajudar, só confundirá ainda mais as pessoas.

Imunidade é o nome comum dado ao sistema imunológico, principal responsável pela proteção e preservação da saúde do corpo humano. De forma resumida, ela garante as defesas do corpo, que tem como inimigos os patógenos, causadores de doenças. Sendo assim, trata-se de uma estrutura complexa formada por órgãos, tecidos e células que atuam no combate aos invasores externos.



Mitos e verdades

Para desmistificar muito do que você ouve e lê sobre alimentos que aumentam sua imunidade, a nutricionista Tássia Frota pontua alguns mitos e verdades sobre diversos alimentos e nutrientes que estão entre os mais indicados durante esse período de pandemia.

Falta de vitamina D piora a saúde de quem está com gripe ou resfriado

Verdade. A vitamina D participa do sistema imune. É uma das responsáveis pela defesa do nosso organismo. Ela estimula a proliferação das células de defesa e a produção de substâncias antimicrobianas. 

Sucos de frutas e vegetais podem ajudar a melhorar quando está doente 

Verdade. Os sucos de vegetais e frutas são ricos em vitaminas, minerais e fibras, além de serem antioxidantes. Melhoram o trânsito intestinal, logo, melhoram absorção de nutrientes. O intestino é o nosso segundo cérebro. Se temos um intestino funcionando, teremos melhor absorção e assim mais imunidade e mais saúde.  

Laticínios promovem a produção de muco, portanto você deve evitá-los quando estiver doente

Verdade. Leite provoca muco e piora as “ites”- sinusite, rinite, amigdalite, entre outras. 

Evite bebidas "desidratantes", como café e chá com cafeína, quando estiver doente

Mito. O chá verde contém cafeína e é rico em catequinas, o qual é um fitoquímico com potente ação antioxidante e anti-inflamatório. 

Tomar vitamina C fortalece a imunidade

Verdade. A vitamina C também possui atividade antioxidante, além de ser essencial para a formação do colágeno e da elastina, aumentando o tônus da pele. Ela participa como cofator na hidroxiprolina, importante aminoácido do tecido conjuntivo e das fibras de colágeno, melhorando a elasticidade, firmeza e flacidez dérmica. Também participa de todas as etapas de cicatrização. Em relação a quantidade, sugiro sempre procurar um nutricionista e/ou médico.

A adição de "alimentos antibacterianos", como óleo de coco e mel, pode ajudar você a se manter saudável

Em relação ao óleo de coco e ao mel, eles possuem sim benefícios, porém, pessoas com hipertrigliceridemia devem evitar o óleo de coco. O mel para algumas pessoas pode ser alergênico. Nesse caso, sempre consultar o seu nutricionista. 

Tomar suplementos fortalece o sistema imunológico?
Verdade. A comida de verdade (natural, sem conservante, sem corante e não industrializada) é sempre a melhor escolha para o sistema imune, porém, algumas pessoas não comem verduras, legumes e frutas. Nesse caso, deve sim suplementar. Sempre sendo orientado por um profissional da saúde. Exemplos de suplementos que fortalecem o sistema imunológico: vitamina C, vitamina D, vitaminas do complexo B, zinco, selênio, probióticos. 

Frutas cítricas são os únicos alimentos que beneficiam o sistema imunológico

Mito. Frutas cítricas não são os únicos alimentos que beneficiam o sistema imunológico, podemos incluir: alho, cebola, gengibre, cúrcuma, castanhas, vegetais verdes escuros, entre outros. 

“Superalimentos” são a cura para tudo

Verdade. As vitaminas são compostos orgânicos e nutrientes essenciais que o organismo precisa para o funcionamento do metabolismo. O selênio é uma molécula que ativa a glutationa peroxidase, portanto, está envolvido nos mecanismos antioxidantes que impedem danos oxidantes. O zinco está envolvido em numerosos papéis metabólicos, incluindo metabolismo energético, imunidade e efeitos antioxidantes. 

Esse mineral é componente estrutural e catalítico da enzima superóxido dismutase, presente no citoplasma de todas as células, e possui a ação de catalisar a conversão de dois radicais íons superóxido e peróxido de hidrogênio e oxigênio molecular, ou seja, a ação dessa enzima reduz a toxicidade das espécies reativas de oxigênio, transformando uma espécie altamente reativa em uma forma menos danosa as células. Exemplos de alimentos ricos em zinco e selênio: castanha do Brasil, gema de ovo, semente de girassol, frutos do mar, carne vermelha, entre outros.

Nutricionista Tássia Frota é especialista em nutrição funcional e esportiva funcional

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.