Domingo, 27 de Setembro de 2020
PROJEÇÃO

Estudo estima que cerca de 26% da população de Manaus foi infectada pelo coronavírus

Estimativa do Departamento de Economia e Análise da Ufam, se mantido o atual ritmo de crescimento da doença, ao longo das próximas três semanas, o número de infectados poderia alcançar a metade da população



WhatsApp_Image_2020-05-03_at_14.53.01_78B31508-D122-4AEA-A8BA-82257D01B3D6.jpeg Foto: Euzivaldo Queiroz
15/05/2020 às 17:24

Um estudo do Departamento de Economia e Análise da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), divulgado nesta sexta-feira (15), estimou a subnotificação dos casos de Covid-19 no Amazonas. Segundo a estimativa, até ontem (14), cerca de 556 mil pessoas teriam contraído o novo coronavírus em Manaus. O número representa 26% da população da capital.

Ainda conforme a projeção, se mantido o atual ritmo de crescimento da doença, ao longo das próximas três semanas, o número de infectados poderia alcançar a metade da população.



Em nota técnica, o estudo estima a subnotificação dos óbitos pelo novo coronavírus e, a partir daí, traça os cenários para o número total de pessoas infectadas.

Para isso, o professor Leonardo Regazzini, que liderou a pesquisa, usou o conceito de ‘excesso de mortalidade’, que é calculado pela diferença entre o número de mortes registradas e o número de mortes considerado normal para o período.

Em abril, a capital do Amazonas registrou oficialmente 2.604 mortes, ante a média de 1.023 mortes nos últimos 12 meses - uma diferença de 1.581 mortes. Destas, apenas 379 foram registradas como em decorrência da Covid-19.

A partir dos dados observados, foram estabelecidos três cenários:

• O primeiro, e mais agressivo, é aquele no qual todo o excesso de mortalidade foi em decorrência da Covid-19. Nesse caso, Manaus teria um total de 4,17 óbitos para cada óbito reportado como Covid-19;

• O cenário mais conservador assume que metade do excesso de mortes foi em decorrência da Covid-19. Assim, Manaus teria um total de 2,08 óbitos para cada óbito reportado;

• O último (e mais provável) cenário estabelece que apenas o aumento de mortes por doenças respiratórias poderia ser atribuído à Covid-19. Nesse cenário, a cidade teria um total de 3,05 óbitos para cada óbito reportado.

Estabelecidas as taxas de subnotificação dos óbitos, foram estimados o número total de mortes por Covid-19 até a última quinta-feira (14). Oficialmente, até esta data, foram registradas 809 mortes em Manaus.

Levando em consideração os cenários estabelecidos no estudo, estima-se que as mortes pelo coronavírus variem entre 1.685 (no cenário mais conservador) e 3.370 (no pior cenário).

Com os dados da subnotificação de mortes e tendo em vista as taxas de mortalidade para a Covid-19 registradas na literatura médica, o estudo conseguiu traçar o total de infectados em Manaus.

Para a estimativa, foram consideradas as seguintes taxas de letalidade: 0,37% (registrada na Alemanha); 0,75% (resultado de um estudo envolvendo diversos países); e 1,11% (taxa estimada por pesquisadores brasileiros).

Considerando os dados do mês de abril, a pesquisa chegou a nove cenários para o real número de infectados pelo novo coronavírus na capital.

Na nota técnica, Regazzini explica que apesar de usar estimativas de morte até 14 de abril, o estudo traça os casos de infectados até 30 de abril. Isso porque, em média, o intervalo entre a morte e a infecção é de 14 dias.

No cenário mais conservador, cerca de 153 mil pessoas já teriam sido infectadas pelo vírus em Manaus, o que corresponde a pouco mais 7% da população total da capital.

No pior cenário, até 30 de abril, 910 mil moradores de Manaus já poderiam ter sido contaminados, o que corresponde a aproximadamente 42% da população.

Usando o cenário considerado mais provável pelo autor (subnotificação de 3,05 e taxa de letalidade de 0,75%), o estudo chegou ao número de 556 mil infectados na capital.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.